quinta-feira, 30 de março de 2017

Ex-travesti, que hoje é pastor e casado / Testemunhos de ex-homossexuais convertidos ao Evangelho são censurados

O testemunho de conversão de um homossexual vem, sempre, acompanhado de muitas críticas da sociedade, que via de regra, diz ser impossível que alguém com atração sexual por pessoas do mesmo sexo mude sua orientação. E, em muitos casos, os relatos dessas situações são censurados e omitidos.

O pastor evangélico Joide Miranda, de 47 anos, que até os 26 era travesti, alega que ainda sofre preconceito por defender uma “restauração sexual”. Casado, ele e a mulher ajudam pessoas que decidem deixar o que chamam de ‘estado de homossexualidade’. Entre as ofensas recebidas, uma ameaça de morte já foi direcionada aos missionários na internet.
Entre os relatos da hostilidade que sofreu, o pastor contou que dois homens chegaram a persegui-lo nas igrejas durante as pregações. Pela internet, ativistas da causa gay chegaram a ameaçá-lo de morte, segundo o pastor, que hoje dá palestras pelo país.

“A mensagem dizia que meus dias estavam contados e que eu seria destruído”, lembrou. As ofensas nunca partiram para algo mais sério. Porém, as mensagens ficaram arquivadas, caso eles precisassem registrar um boletim de ocorrências.
A plataforma Vimeo, concorrente do YouTube, segue uma política mais flexível do que o serviço de streaming do Google, e permite, por exemplo, a publicação de filmes pornográficos. Porém, existem relatos de que os administradores estariam deletando os vídeos de ex-homossexuais que abandonaram a prática.                                            
Os homossexuais são pessoas maravilhosas, profissionais excelentes e não gostam de parada gay e exposição.   Os ativistas gays é que agridem e nos chamam de homofóbicos e "fundamentalistas", declarou.
      Para Joide, (nas duas primeiras fotos do blog) as ofensas não têm fundamento, já que ele prega a igualdade.  A partir da experi~encia pessoal, Joide decidiu ajudar outras pessoas, junto com a mulher, a missionária Édna Miranda, orienta e aconselha quem quer "deixar de ser gay".  de acordo com o pastor, o trabalho é sempre de receber e dialogar com as pessoas.  "Se eles quiserem sair dessa vida, mostramos que tem uma luz.  Porém, quem não quiser não podemos fazer nada", explicou.
   " Édna contou que os ‘pedidos de socorro’ são tantos,
 que nem sempre eles conseguem atender todas as pessoas.
 “Existe uma multidão, mas elas não são mostradas”, disse, 
completando, que os gays que saem do
 ‘estado de homossexualidade’ são recriminados. “
Um Livro é Escrito
                                                                                                                                                       
   Joide lançou, em 2013, o livro ‘A intimidade de um ex-travesti’, em 
que conta sua trajetória desde a infância até se tornar evangélico. Na obra,
 ele revela segredos nunca revelados.
É no livro que o pastor relata a preferência desde pequeno por brincar com 
as meninas e isso causava estranhamento nos garotos da mesma idade.
 “Lembro-me que nessa fase, passei a gostar muito de boneca e de casinha
 com minha irmã Rita”, diz um trecho.
Em outras páginas ele narra toda a história dele. A saída de Cuiabá, a temporada 
no Rio de Janeiro e em São Paulo, os implantes de silicone, a prostituição,
 a chegada na Europa, o diagnóstico de HIV, o encontro com Deus e o 
casamento são contados no livro.

 Depois de se tornar religioso, ele retirou as próteses de silicone dos seios e
 o silicone industrializado dos quadris.
Em outro momento, conta como descobriu que era soropositivo
“Fui denunciado por traficar pessoas para a prostituição por um travesti que
 veio do Brasil. Levaram-nos para o Presídio de Segurança Máxima San Vitorio. 
Chegando lá, cumprimos todos os procedimentos. Um deles era o teste de HIV.
 O resultado do meu teste foi positivo”, diz.

‘Pedidos de socorro’
Os missionários dizem receber incontáveis pedidos de ajuda. Joide e Édna já

 chegaram a receber e-mails e telefonemas de pessoas da Alemanha, 
Japão e França. Segundo eles, os contatos mais frequentes são de pessoas
 que querem voltar a serem heterossexuais. No entanto, grande parte dos pedidos
 também e feita por pais e mães que não concordam com a sexualidade dos filhos.
Casamento
Casado há 17 anos, e pai de Pedro, de quatro anos, Joide diz que hoje vive em

 paz e que se sente realizado. “Amo minha casa, meu filho. Tenho prazer no que
 faço e me dedico fielmente à pregação”, afirmou.

Os dois se conheceram em 1992 durante um depoimento (testemunho de vida) de Joide na 
igreja. Convidada por uma amiga, mesmo com
 receio, ela foi ouvir as histórias “do ex-travesti 
recém-convertido”. Na época, ela diz que pedia
 a Deus que um bom homem entrasse em sua
 vida. Porém, nunca imaginou que iria se casar
 com um ex-gay.
“Se Deus me perguntasse naquela época se
 queria ter um ex-travesti como marido, é claro
 que eu diria não, mas fui surpreendida e 
acreditei. Hoje, não sou casada com um gay, 
nem com um travesti, mas com um heterossexual restaurado por Deus”, declarou.
A mãe de Joide, Odete Miranda, foi a primeira a acreditar no filho e disse ter orado muito para a restauração sexual dele. “Deus não faz
 nada que não seja perfeito. E Ele fez meu filho homem e ele tinha que virar
 homem”, afirmou.

terça-feira, 14 de março de 2017

Filhos do Diabo querem queimar Bíblias e invocar o Satanás em universidade nos EUA

Alegando liberdade religiosa, grupo anuncia que fará sacrifício animal






Um grupo de universitários anunciou que realizará em breve uma cerimônia “neosatânica” na Universidade de Clemson, na Carolina do Sul, EUA. Usando o nome de Clemson Unorthodox Neo-Satanic Temple, eles distribuíram convites com símbolos satânicos, onde prometem fazer o sacrifício de um cordeiro e derramarem sangue do animal, além de queimar Bíblias.
Esse ritual satânico público teria a intenção de “invocar Bafomete”, um dos muitos nomes do diabo, que é representado por uma figura com corpo humano, mas cabeça de bode. A pessoa que levar mais Bíblias para serem queimadas ganha um prêmio.
Os estudantes alegam estarem exercendo seu direito à liberdade religiosa. Os membros do Templo Satânico utilizam uma decisão do Supremo Tribunal dos Estados Unidos, de 2001, a qual determinou que todos os grupos religiosos têm o direito de usar os espaços das escolas públicas após o período de aulas.

Até o momento os membros do Clemson Unorthodox Neo-Satanic Temple não divulgaram imagens nem do sacrifício nem da queima de Bíblias, que ocorreria esta semana. Mesmo assim, o simples anúncio de que fariam isso suscitou amplo debate na Universidade, com muitos alunos defendendo essa demonstração como a promoção da “tolerância religiosa”.
Segundo os organizadores da “queima de Bíblias”, essa seria uma maneira de protestar contra a abertura de uma nova capela no campus da universidade de Clemson. Ao custo de US $ 6 milhões, o espaço com capacidade para 150 pessoas foi construído para abrigar “estudantes de todas as crenças religiosas” e que funcionará como local para casamentos ou funerais no campus.
Esta não é a primeira vez que um grupo universitário anuncia ritual satânico em um campus universitário. Em 2014, um grupo de “estudos culturais” da Universidade de Harvard,  planejou uma grande “missa negra satânica” no campus de Harvard, mas foi cancelada depois dos protestos de grupos de pais, alunos e professores.
A mesma organização que ajudou a planejar o evento, o Templo Satânico, anunciou em 2016 o lançamento de um clube satânico para crianças nas escolas públicas como atividade de “contra turno” opcional. 
De acordo com seus idealizadores, o grupo está mais interessado em promover a “rebelião contra a tirania e o governo autoritário”, procurando mostrar que existe preconceito religioso contra grupos não cristãos.
Em nome da “diversidade”, querem que o satanismo seja reconhecido como uma religião com os mesmos direitos das demais. Com informações de The Blaze

         Na imagem à direita, vemos o mais antigo menino diabo, Brasinha ( nome aqui no Brasil ); mais antigo que Hell`s Boy.   Seria então um "Clube do Brasinha", como o "Clube do Bolinha"? 
     O pastor Carlos A. Neto disse: " Na minha infância, sempre tive o pensamento de que o "sistema" secular estaria preparando as crianças para um futuro (que já estamos) em que adorar ao Diabo seria algo natural e recompensador... que bruxas, caveiras, lobisomens, duendes, zumbis e outros tipos de monstros são tão normais e amigos como Papai-do-céu e seus anjinhos."

quinta-feira, 9 de março de 2017

Pastor Franklin Graham diz que Walt Disney se escandalizaria se visse no que a empresa se tornou

As recentes manifestações de apoio da Disney à agenda da militância LGBT levou o pastor Franklin Graham a comentar os episódios, lamentando que a gigante do entretenimento tenha se tornado uma ativista pró-homossexualidade.
Franklin Graham afirmou estar decepcionado com os rumos que a Disney tomou, lembrando que, anos atrás, a empresa era conhecida do público como uma produtora de conteúdo que exaltava a importância da família.
“A Disney exibiu um desenho animado com casais gays se beijando e também foi anunciado que seu novo filme, A Bela e a Feracontará com um personagem gay, em uma tentativa de normalizar esse estilo de vida. Eles estão tentando forçar a introdução da agenda LGBT no coração de seus filhos. Cuidado!”, alertou o pastor, que é filho do respeitadíssimo evangelista Billy Graham.
Fazendo uma ponderação rara entre líderes evangélicos, o pastor admitiu que a empresa tem autonomia para escolher personagens e temas de suas produções, afinal, está sediada em um país democrático. Porém, ele frisou que os evangélicos também têm a liberdade de rejeitar os desenhos, filmes e séries dela.
“A Disney tem o direito de fazer seus desenhos animados, é um país livre. Mas como cristãos, também temos o direito de não apoiar essa empresa. Espero que os cristãos em todo lugar digam não à Disney”, disse.
+ Cinema cancela exibição de A Bela e a Fera após Disney confirmar cena gay
Por fim, Franklin Graham revelou que conheceu pessoalmente o fundador da empresa e afirmou que se estivesse vivo, o visionário desenhista ficaria arrasado ao ver no que sua companhia se transformou: “Conheci Walt Disney quando eu ainda era um menino. Ele foi muito gentil comigo, com meu pai Billy Graham e meu irmão mais novo, quando o visitamos. Ele ficaria chocado ao ver o que aconteceu com a empresa que ele mesmo fundou”, lamentou.
           O pastor Carlos A. Neto, autor do Dias Finais, faz lembrar esses "brinquedos" eletrônicos que são encontrados em Shoppings de quase todo mundo; em que a criança para ter a sensação de gangorra, moto ou cavalinho-de-balanço senta-se sobre a região onde supostamente estaria o órgão genital dos personagens Disney.  Somando-se ao movimento de vai-vem e em baixo e em cima, o "brinquedo" passa a ideia de que a criança está "cavalgando sexualmente" no Pato Donald.   Observe ainda, que o Pato Donald (imagem acima) parece estar com os olhos fixos na genitália da criança e apresentando um sorriso meio maroto.