sexta-feira, 22 de maio de 2015

Pastor Silas Malafaia ajuda, senador Magno Malta a criar a Frente Parlamentar da Família

O senador Magno Malta (PR-ES) criou a Frente Parlamentar da Família (FPF) no Senado Federal, e contou com o apoio do pastor Silas Malafaia na reunião dos participantes.

O lançamento da FPF foi realizado no auditório Petrônio Portela do Senado, na tarde da última quarta-feira, 20 de maio, com a participação de deputados, senadores e líderes cristãos.

Além de Malafaia, estiveram presentes o bispo Robson Rodovalho, a psicóloga Marisa Lobo, a advogada e assessora parlamentar Damares Alves, o deputado Marcelo Aguiar (DEM-SP), e o pastor Abner Ferreira, entre outros.

Malafaia usou a palavra para frisar que existe um movimento conspiratório contra a família na sociedade brasileira: “A destruição da Família é fazer com que a sociedade seja uma massa informe para ser manipulada por uma elite política. É isso que está em jogo, senhores! Porque a autoridade do pai e da mãe na casa é algo mais forte que a autoridade do Estado dentro de uma casa. Estes esquerdopatas querem, ideologicamente, destruir a família para que haja uma massa informe. Eles querem infiltrar, nas escolas, no ensino, toda a sua ideologia, para que ao final, a família perca o seu valor e o seu poder”, discursou o pastor.
Whatsapp
Compartilhar

O senador Magno Malta também se pronunciou e afirmou que a FPF tem como missão a ampliação da proteção às crianças e jovens: “Vamos apresentar e dar apoio a todos os projetos de lei que visam ampliar a proteção às nossas crianças e jovens. Existem redes de pedófilos agindo no Brasil e é necessário, inclusive, haver um monitoramento maior disso na internet”, defendeu o político, que é um dos maiores apoiadores da redução da maioridade penal no Brasil.

Além dessas bandeiras, Malta é conhecido por seus trabalhos sociais de recuperação de dependentes químicos através da prática esportiva.

sábado, 16 de maio de 2015

Cientista polonês Michael Keller Prova a Existência de Deus e Ganha Prêmio

“Mas o que existia antes desse átomo primordial? da grande massa do Big Bang ?”
Através de leis da física e da filosofia, o pesquisador polonês Michael Keller mostra que Deus existe e ganha um dos mais cobiçados prêmios. Ele montou a sua metodologia a partir do chamado “Deus dos cientistas”: o big bang, a grande explosão de um átomo primordial que teria originado tudo aquilo que compõe o universo.



Cientista prova a existência de Deus e ganha prêmio

Como um seminarista adolescente que se sente culpado quando sua mente se divide, por exemplo, entre o chamamento para o prazer da carne e a vocação para o prazer do espírito, o polonês Michael Keller se amargurava quando tentava responder à questão da origem do universo através de um ou de outro ramo de seu conhecimento – ou seja, sentia culpa.

Ocorre, porém, que Keller não é um menino, mas sim um dos mais conceituados cientistas no campo da cosmologia e, igualmente, um dos mais renomados teólogos de seu país. Entre o pragmatismo científico e a devoção pela religião, ele decidiu fixar esses seus dois olhares sobre a questão da origem de todas as coisas: pôs a ciência a serviço de Deus e Deus a serviço da ciência. Desse no que desse, ele fez isso.

O resultado intelectual é que ele se tornou o pioneiro na formulação de uma nova teoria que começa a ganhar corpo em toda a Europa: a “Teologia da Ciência”. O resultado material é que na semana passada Keller recebeu um dos maiores prêmios em dinheiro já dados em Nova York pela Fundação Templeton, instituição que reúne pesquisadores de todo o mundo: US$ 1,6 milhão.

O que é a “Teologia da Ciência”? Em poucas palavras, ela se define assim: a ciência encontrou Deus. E a isso Keller chegou, fazendo- se aqui uma comparação com a medicina, valendo-se do que se chama diagnóstico por exclusão: quando uma doença não preenche os requisitos para as mais diversas enfermidades já conhecidas, não é por isso que ela deixa de ser uma doença. De volta agora à questão da formação do universo, há perguntas que a ciência não responde, mas o universo está aqui e nós, nele. Nesse “buraco negro” entra Deus.

Segundo Keller, apesar dos nítidos avanços no campo da pesquisa sobre a existência humana, continua-se sem saber o principal: quem seria o responsável pela criação do cosmo? Com repercussão no mundo inteiro, o seu estudo e sua coragem em dizer que Deus rege a ciência naquilo que a ciência ainda tateia abrem novos campos de pesquisa. “Por que as leis na natureza são dessa forma? Keller incentivou esse tipo de discussão”, disse a ISTOÉ Eduardo Rodrigues da Cruz, físico e professor de teologia da PUC de São Paulo.

Keller montou a sua metodologia a partir do chamado “Deus dos cientistas”: o big bang, a grande explosão de um átomo primordial que teria originado tudo aquilo que compõe o universo. “Em todo processo físico há uma seqüência de estados. Um estado precedente é uma causa para outro estado que é seu efeito. E há sempre uma lei física que descreva esse processo”, diz ele. E, em seguida, fustiga de novo o pensamento: “Mas o que existia antes desse átomo primordial?”

Essas questões, sem respostas pela física, encontram um ponto final na religião – ou seja, encontram Deus. Valendo-se também das ferramentas da física quântica (que estuda, entre outros pontos, a formação de cadeias de átomos) e inspirando-se em questões levantadas no século XVII pelo filósofo Gottfried Wilhelm Leibniz, o cosmólogo Keller mergulha na metáfora desse pensador: imagine, por exemplo, um livro de geometria perpetuamente reproduzido.

Embora a ciência possa explicar que uma cópia do livro se originou de outra, ela não chega à existência completa, à razão de existir daquele livro ou à razão de ele ter sido escrito. Keller “apazigua” o filósofo: “A ciência nos dá o conhecimento do mundo e a religião nos dá o significado”. Com o prêmio que recebeu, ele anunciou a criação de um instituto de pesquisas. E já escolheu o nome: Centro Copérnico, em homenagem ao filósofo polonês que, sem abrir mão da religião, provou que o Sol é o centro do sistema solar.

A caminho do céu


Michael Keller usou algumas ferramentas fundamentais para ganhar o tão cobiçado prêmio científico da Fundação Templeton. Tendo como base principal a Teoria da Relatividade, de Albert Einstein, ele mergulhou nos mistérios das condições cósmicas, como a ausência de gravidade que interfere nas leis da física. Como explicar a massa negra que envolve o universo e faz nossos astronautas flutuarem? Como explicar a formação de algo que está além da compreensão do homem? Jogando com essas questões, que abrem lacunas na ciência, Keller afirma a possibilidade de encontrarmos Deus nos conceitos da física quântica, onde se estuda a relação dos átomos. Dependendo do pólo de atração, um determinado átomo pode atrair outro e, assim, Deus e ciência também se atraem. “E, se a ciência tem a capacidade de atrair algo, esse algo inexoravelmente existe”, diz Keller.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Pr.Caio Fábio revela-se a favor do aborto e do casamento gay em entrevista a Luciana Gimenez


TEM ´TITULO DE PASTOR, MAS NÃO AGE COMO TAL
A entrevista de Caio Fábio à apresentadora Luciana Gimenez na noite de ontem, 05 de maio, começou já com uma crítica do reverendo à prática que muitas igrejas adotam, em semelhança com a Igreja Católica, da confissão de pecados a um terceiro.
“Se [a igreja] virar uma instituição de confessionário, introduz-se poder de alguém sobre outro alguém, e começa também a hipocrisia. Melhor a gente lidar de amigo para amigo, e abrir o coração”, disse Fábio já em sua primeira resposta.
Luciana Gimenez afirmou que sempre ouviu falar de Caio Fábio como alguém “diferenciado, um pastor de mente aberta, que fala o que pensa” e sempre ligado a “polêmicas”, e o questionou se era isso mesmo. A resposta de Caio Fábio foi positiva: “Eu falo o que eu penso. Não tem problema em relação a absolutamente nada. Não vejo razão para estar aqui no planeta Terra escondendo o que eu penso”.
Confira abaixo, respostas de Caio Fábio sobre temas diversos ligados à fé

Pecado

“A gente peca o tempo todo. A gente tem que parar de viadagem, de frescura. Nós somos pecadores, pensamos o que não devemos”, disse Caio Fábio. Luciana o interrompeu para perguntar se trair em pensamento é um pecado, e o reverendo foi objetivo: “É pecado. Se eu tenho uma relação contigo, sou casado contigo, e começo a desejar tua melhor amiga, ou uma amiga nossa em comum, com avidez, tem alguma coisa errada no meu coração, primeiro para contigo – porque seu eu te amasse como mulher de verdade, eu ficava meio selado para as outras alternativas”, afirmou.


Neopentecostais

“Nós estamos lá [na Nigéria] protegendo essas crianças desses pastores e dessas igrejas, que dizem o seguinte: criança que faz xixi nas calças, gosta de jogar futebol, tem um pesadelo à noite ou chora e quer ir para a cama do pai ou da mãe, está possessa de espírito de bruxo. E quem diz isso são pastores neopentecostais. E aí, a cura: ‘Me dê três meses do seu salário, e eu liberto seu filho do espírito ‘bruxificante’ que está nele’. O cara tem oito, nove, dez, onze filhos, ele vai abrir mão de três meses do salário para libertar, sendo que na cultura nigeriana, a coisa do indivíduo bruxo é um fato apavorante na cabeça deles. Todo mundo tem medo disso. Conclusão: eles botam o filho para fora de casa ou entregam o filho ao pastor. A gente já encontrou criança acorrentada, criança vivendo sob tirania de pedófilos, de pastor maluco. São centenas. A gente tem um orfanato, tiramos a criança da tutela desses pastores dominadores malucos. O governo apoia”, revelou Caio.

Dízimo

“A gente precisa de doação e de dinheiro para fazer tudo, não só um negócio como esse aqui da RedeTV!, mas as ações que a gente realiza hoje no nordeste brasileiro, ou na Nigéria, ou no Senegal […] Admitir essa necessidade [de doações] é uma coisa. Viver para criar estratagemas para provocar as pessoas nesse sentido, e pior do que isso, dizer que se alguém não der [o dízimo] está sob maldição divina, os bens vão ser devorados, o gafanhoto migrador vai comer tudo, a vida vai virar do avesso, e você nunca mais será bem-sucedido em nada, aí é trabalho de ‘bruxificação’ de almas incautas, é exploração do próximo. Associar isso com uma barganha com Deus é nojento”, criticou Caio Fábio. “É espontâneo. No Novo Testamento, tudo é espontâneo”, acrescentou.
              Segundo o raciocínio do pastor Carlos A. Neto, Deus diz àqueles sacerdotes que quem não entrega a Ele os dízimos e as ofertas alçadas, o estão roubando e estão sendo amaldiçoados por isso. vejam Ml. 3.9 A seguir o Senhor Deus diz que recompensaria todos os que lhe entregassem o dízimo, de maneira assombrosa.  Ml 3.10 - " Trazei, portanto, todos os dízimos ao depósito do Templo, a fim de haja alimento em minha Casa, e provai-me nisto”, assegura o SENHOR dos Exércitos, “e comprovai com vossos próprios olhos se não abrirei as comportas do céu, e se não derramarei sobre vós tantas bênçãos, que nem conseguireis guardá-las todas.  11 - " Também impedirei que pragas devorem as vossas colheitas, e as videiras nos campos não perderão o seu fruto!”, promete Yahweh dos Exércitos.  Ora, se Deus disse: "Provai-me nisto" e Ele não mente, não muda e não morreu,  todos os que são chamados povo de Deus ou filhos de Deus e sonegam o dízimo, estão roubando a Deus até os dias de hoje.  podem estar também sob maldição divina e terem dificuldades em suas vidas.  Em consequência, a promessa de Deus em abençoar sem medida, aos dizimistas ainda vale.


Casar virgem

“Eu acho que as pessoas têm que decidir escolher o que elas querem. Não tem que ter tirania em nenhuma direção. Tem que haver bom senso. O que se relaciona ao que aconteceu comigo (abuso sexual na infância) é um padrão totalmente anômalo, que não quero para os meus netos. Foi um acontecimento totalmente inusitado. Não é normal, é estranho, poderia ter gerado um produto muito esquisito. Graças a Deus não produziu um tarado, um maluco, um fixado nisso. Poderia ter acontecido. Não é uma recomendação [expor crianças ao sexo precocemente]. Se for tirânico, produzirá gente sexualmente culpada, neurótica e angustiadamente ‘sexualizada’ pela espera. O efeito, às vezes, é contrário”.
           O pastor Carlos A. Neto entende que é difícil para as pessoas não crentes/evangélicas nos tempos modernos, casarem virgens.  No entanto, para os jovens evangélicos é extremamente recomendável casar virgem.  Principalmente para os que nasceram dentro de famílias evangélicas, por obedecer os preceitos e ensinamentos da Bíblia Sagrada.



 
          
 Pastor Carlos A. Neto: " Caio Fábio ainda diz ser favorável ao aborto e ao casamento gay.  O coitado perdeu o foco, a visão espiritual - se algum dia teve - e está sendo usado pelo Diabo, como marionete e sendo ridicularizado por crentes e mundanos."                                                                                 
Assista, no vídeo abaixo, a íntegra da entrevista de Caio Fábio ao Luciana By Night: